domingo, 16 de julho de 2017

Crítica: A Hora do Lobo (1968)



GUILHERME W. MACHADO

Bergman mergulha como nunca em sua carreira no expressionismo para fazer A Hora do Lobo. Os fantasmas imaginados pelo personagem de Max Von Sydow são expressões dele mesmo, reflexos distorcidos de uma alma que sofre. Johan – o homem em questão – é assombrado por traumas do seu passado, eventos que podem variar da sua infância a relacionamentos amorosos mal-resolvidos. E é nesse tipo de terreno psicológico, trabalhando com mentes perturbadas, que Bergman tira alguns de seus melhores trabalhos.

domingo, 2 de julho de 2017

Retrospectiva: 1997


GUILHERME W. MACHADO

Uma seleção de 10 dos filmes que mais gosto do ano de 1997, que completa duas décadas de aniversário. Não é um recorte dos mais importantes daquele ano, nem nada do gênero, apenas uma lista não muito rígida daqueles que para mim foram os melhores lançados naquele ano. Por isso não faço muito esforço para contemplar um espectro mais amplo de filmes e nem para incluir aqueles que não apelam tanto à minha pessoa, mesmo que estejam entre os mais "notáveis" daquele período, como Titanic ou A Vida é Bela, filmes que provavelmente têm seus méritos por alcançarem a popularidade que alcançaram, mas que não me proporcionam o mesmo gosto que esses aqui escolhidos (que, aliás, me agradam bastante, belo ano este), da mesma forma que Violência Gratuita parece ser bem impopular, geralmente detestado por crítica e público, mas que por algum motivo – doentio, só pode – eu defendo fortemente. De qualquer forma sintam-se sempre convidados a expor quais são seus preferidos do ano nos comentários.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

20 Filmes sobre Serial Killers


GUILHERME W. MACHADO

Elemento clássico dos filmes policiais, suspense e terror, a figura do serial killer já foi explorada diversas vezes ao longo da história do cinema. Alguns cineastas abordaram o lado patológico, outros os utilizaram como metáforas, uns como "mal encarnado", e outros simplesmente como peões cruéis num exercício de estilo estético. Juntei aqui 20 ótimos filmes de propostas diversas que abordam essa temática. Eles não estão arranjados em ordem de preferência, o propósito e a seleção em si e ordenando-os de forma alfabética também é possível perceber como a temática progrediu e foi tomando diferentes formas com o passar das décadas. É bem certo que alguns cineastas, como Fincher, Argento ou Kurosawa (Kiyoshi), dedicaram-se mais que a média no assunto, realizando vários filmes de alta qualidade com Serial Killers, mas para fazer uma lista mais variada escolhi apenas uma inserção de cada.

terça-feira, 13 de junho de 2017

Crítica: Sangue Negro (2007)


GUILHERME W. MACHADO

Daniel Plainview é o sonho americano. Não a versão sonhadora dele; a versão real. O “self-made man” que vê as pessoas ao seu redor como obstáculos na sua busca por realização pessoal. Ele é o homem que, saindo do nada, trabalhou duro e conquistou a fortuna e o respeito que, na “terra das oportunidades”, é prometida àqueles que arregaçam as mangas e tomam conta do seu destino. O problema – e Sangue Negro ilustra isso magistralmente – é que, no processo, ele acaba tomando também conta do destino de outros, e a verdade é que o sonho americano do homem que simplesmente baixa a cabeça e se esmera no seu ofício é uma farsa.